Visamos trazer uma informação de qualidade com dicas, avaliações e comparativos, tudo isso com detalhamento técnico, mas também simples para o público em geral entender.

Avaliação: Toyota Corolla GLI 2013

Teste: Confira tudo sobre a geração mais famosa do bestseller da Toyota.

Usados x Novos

Cada vez mais o mercado de usados apresenta crescimento, confira as principais vantagens e desvantagens

Android Auto x Apple Carplay x Mirrorlink

Confira o que significa essas tecnologias cada vez mais comuns e que podem tornar seu dia-a-dia mais conectado.

segunda-feira, 14 de outubro de 2019

Tipos de câmbios automáticos e cuidados na manutenção

    Nos últimos anos a quantidade de veículos equipados com transmissão automática vem crescendo exponencialmente, principalmente com os congestionamentos cada vez mais frequentes nas grandes cidades e com toda a comodidade (e evolução) que esse câmbio traz.
Apesar dessa popularização ainda existem muitos mitos em torno desse tipo de transmissão e muitos não conhecem todas tecnologias usadas e como aproveitá-lo da melhor forma. A seguir apresentaremos os principais "subtipos" de câmbios automáticos e ao final a melhor maneira de utilizá-lo, que não varia entre uma tecnologia e outra.
Cambio automático epicíclico ou simplesmente câmbio automático tradicional
    Esse tipo de câmbio é o mais comum e é popularmente conhecido simplesmente como câmbio automático, a principal característica é a presença de um conversor de torque(o mecanismo responsável por efetuar as trocas) acoplado ao motor. A sua vantagem é a grande durabilidade, sendo necessário apenas trocas de óleo(do câmbio em sí não somente do motor) a cada (geralmente) 80.000km, ou seja, se bem cuidado o custo de manutenção é baixíssimo durante toda vida útil do carro. Os principais pontos de atenção é que esse tipo costuma consumir mais combustível, "roubar potência" do motor e possuir trocas mais lentas, embora tenha evoluído muito nos últimos anos.
Câmbio Automatizado
    Após as montadoras perceberem que o consumidor cada dia mais estava em busca de câmbios automáticos para enfrentar os congestionamentos e que essa era uma demanda inclusive em carros compactos ou populares, as marcas resolveram introduzir o câmbio automatizado no mercado. Esse tipo de câmbio é muito mais simples que um câmbio automático convencional, pois não possui conversor de torque, em seu lugar existe atuadores mecânicos ou hidráulicos(mais eficientes nesse último) que realizam a troca, todo o resto é exatamente igual um câmbio manual. Ou seja, o câmbio automatizado, apesar de não visível para o condutor, possui embreagens, discos e todos os outros componentes de um câmbio manual. Se por um lado isso barateava o custo inicial, que gira em torno de R$2500 contra R$4000 dos demais automáticos, precisava de manutenção mais frequente, que nem sempre era feita por seus proprietários, causando diversos problemas em seu funcionamento, isso sem contar os trancos que apesar de atenuados nunca desapareceram completamente. Os principais câmbios dessa categoria são: Dualogic(Fiat), I-Motion(VW) e Easytronic(Chevrolet).
Uma curiosidade no entanto é que existem câmbios automatizados de dupla embreagem, que geralmente é utilizado em veículos de alta performance, isso porquê esse tipo de câmbio trabalha com duas engrenagens para engate da marcha, uma para as marchas pares e outra para marchas ímpares, ou seja, quando o câmbio engata a primeira, a segunda já está pronta para ser acoplada ao motor, portanto não há interrupção no fornecimento de potência, o consumo é mais baixo e a não existe os trancos que ocorre na versão com apenas 1 embreagem. Porém ele possui um problema em comum com o câmbio automatizado tradicional, se a manutenção não é feita corretamente(troca de embreagens e outros componentes) ou o câmbio não é utilizado da maneira correta, o câmbio começa apresentar anomalias em seu funcionamento que são caras de se reparar. O caso mais emblemático é o Powershift da Ford, que sofreu um recall mundial justamente por esse motivo e que hoje praticamente foi abolido de todos os modelos. Outra curiosidade é que esse é um dos pouquíssimos câmbios de dupla embreagem utilizados em larga escala.
 Câmbio CVT
    Esse é um dos câmbios com a maior diferença entre os demais, na verdade uma das poucas semelhanças são as posições da alavanca de câmbio e o fato de trocar as marchas de forma automática. Diferente de todos os outros câmbios esse sistema não conta com uma relação de marchas definidas, ou seja, na prática não existem marchas para serem trocadas, a rotação do motor varia de acordo com a posição de duas polias, que por sua vez é determinado de acordo com cálculos de um computador, por exemplo em subidas as polias se posicionam de uma forma a elevar a rotação do motor para gerar mais potência. Uma característica comum nesse câmbio é o barulho de "enceradeira", aquele ruído constante que dá a impressão de que o carro não tem potência, está amarrado no jargão popular, inclusive esse incômodo fez algumas marcas, como a Honda e Toyota, a definir algumas posições fixas para as polias, de modo a gerar a sensação de troca de marchas para o motorista.
O câmbio CVT é utilizado principalmente naqueles modelos cujo foco é a economia, pois nesse aspecto ele é imbatível, uma vez que a manutenção é a mesma de um automático tradicional, mas com a vantagem de que ele trabalha sempre na melhor faixa de rotação do motor, melhorando o consumo de combustível. O único porém é o já citado ruído constante e por incrível que pareça a ausência da percepção de troca de marchas, ou seja, ainda que tenhamos um carro de alta potência, a sensação sempre será que falta uma força a mais.


Cuidados no uso
    Depois de entender o conceito de maneira resumida dos principais câmbios automáticos do mercado, vale se atentar algumas regras para que o equipamento não apresente problemas e traga todo o conforto esperado, por isso vale conferir (e praticar) as seguintes dicas:
  1. Nunca estacione o carro sem utilizar o freio de estacionamento(ou freio de mão) colocando a alavanca na posição P apenas, esse processo provoca um desgaste acentuado na transmissão, podendo gerar problemas que vão desde o travamento da alavanca na posição P, até danos irreversíveis no interior do câmbio.
  2. Ainda no tópico de estacionamento, quando for estacionar o carro, sempre pare o veículo totalmente, puxe a alavanca do freio de mão(ou acione o botão se for elétrico), coloque o câmbio na posição N, tire o pé do freio e só então coloque o câmbio na posição P. Esse processo evita justamente apoiar o peso do carro no câmbio e contribui para uma vida útil maior. Importante: Após tirar o pé do freio verifique se o carro não se movimenta, caso se movimento puxe um pouco mais o freio de mão.
  3. Evite alternar entre as marchas D e R(ou vice-versa) com o carro em movimento, caso faça isso provavelmente irá sentir um leve tranco que denuncia um desgaste nas engrenagens internas do câmbio. Só realize esse procedimento se for uma situação emergencial.
  4. Não engate a marcha neutra(N) ao parar no semáfaro ou por períodos curtos, apesar de muitos recomendarem esse procedimento ele causa danos a transmissão, isso porquê nos câmbios mais antigos a lubrificação das engrenagens acontece somente no D, ou seja, se você engatar N toda vez que para no semáfaro para depois engatar o D novamente as engrenagens não estarão totalmente lubrificada e causará desgaste, além disso nos câmbios mais modernos a própria central faz a troca para o N com o carro parado(mesmo que a alavanca não se mova, pois o processo é realizado internamente e é transparente para o motorista), porém nesse caso a caixa continua recebendo lubrificação.
  5. Não acelere o carro parado e faça a troca para o D, esse processo causa um superaquecimento no óleo da transmissão e nos freios podendo causar danos irreversíveis e até a quebra imediata da caixa. Exceção: Existem alguns carros de alto desempenho que permitem esse procedimento para uma arrancada mais vigorosa, no entanto isso deve estar descrito no manual do proprietário.
  6. Efetue a troca de óleo no prazo programado(e das embreagens no caso de automatizados) que geralmente é de 80.000km, mas vale consultar o manual do proprietário.
Basicamente é isso, espero que o artigo tenha ajudado a tirar dúvidas dos tipos de câmbios existente e como operar corretamente eles. No futuro, irei escrever um artigo de como utilizar as demais funções do câmbio que pode ajudar ainda mais no dia-a-dia.

Um grande abraço,
Haroldo.

Share:

sexta-feira, 1 de março de 2019

Avaliação: Toyota Corolla GLI 2013

   Hoje vamos falar de um sucesso de vendas, em sua 8ª geração, que é mundialmente conhecido pelo seu temperamento neutro e pela sua confiabilidade mecânica, sim estamos falando do Toyota Corolla.
   O Corolla é muito reconhecido mundialmente pela sua confiabilidade mecânica e sem dúvida esse é um dos seu grandes atributos. Quer comprar um carro usado mas não tem experiência ou não quer dor de cabeça? Compre um Corolla com todas revisões feitas em concessionárias, que a chance de problemas é bem pequena.
   Um dos grandes motivos de sua confiabilidade é justamente o atendimento excelente de suas concessionárias, não rara premiadas em excelência de atendimento e qualidade. Todo o processo de revisão é feito de maneira impecável e minuciosamente, em busca de defeitos no veículo, o que garante uma tranquilidade extra aos seus proprietários. Além disso, para o bem e para o mal, as japonesas são conhecidas por seu conservadorismo, basta notar que essa geração do Corolla sempre usou um antiquado(porém eficiente) câmbio automático de 4 marchas e estamos falando de um carro que foi comercializado até 2013. Mas você pode estar se perguntando, o que o carro tem além de sua confiabilidade e principalmente, quais são os seus defeitos? É o que vamos analisar nos próximos parágrafos.
   Esse é um carro ideal para você que busca apenas se locomover do ponto A ao ponto B com muito conforto. O carro possui um porta-malas generoso de 470 litros, muito superior ao do seu rival Honda Civic com seus de 340 litros(geração 8) ou 440 litros(geração 9). Além do porta malas bem amplo, o carro comporta confortavelmente 4 adultos(mesmo que de estatura alta), uma vez que tem um espaço para pernas e cabeça considerável(tanto na frente quanto atrás). Um quinto ocupante, a menos que seja uma criança, provavelmente vai causar um certo incômodo nos demais, já que ele ainda se enquadra na categoria de sedã médio. Ainda falando de seu interior os principais itens de conveniência estão lá como: CD Player/MP3(Não há entrada USB, novamente o conservadorismo japonês), Ar Condicionado(Manual nessa versão), retrovisor/travas e vidros elétricos(com função subida e descida automática para todos, algo raro de se ver nesse segmento) e alarme. Além disso possui uma porção generosa de couro revestindo o acabamento de todas as portas, também um ponto positivo para a Toyota.
   Porém, como dissemos, nem tudo é perfeito no modelo mais vendido da Toyota aqui, um exemplo claro disso é qualidade do material utilizado, apesar de tudo se encaixar com perfeição e o veículo se recusar a fazer barulhos internos mesmo com vários quilômetros rodados, existe muito plástico de aparência e textura simples demais, que não condizem com o porte/valor do carro e isso afeta o carro no geral, desde alavanca de setas/limpador, até saída do ar condicionado e puxadores. Outro ponto de atenção é que por se tratar de um veículo com proposta totalmente familiar, o ideal seria se os bancos viessem em uma tonalidade mais escura(apesar da beleza inegável do couro claro), isso evitaria sujeiras aparentes e uma necessidade mais constante de limpeza.
   Partindo para a parte mecânica do carro, realmente a engenharia da Toyota levou a sério esse quesito. Ainda que conte, nesta versão, com um motor 1.8 aliado a uma transmissão automática de 4 velocidades, o carro demonstra fôlego de sobra para o dia-a-dia, sem necessidade de reduções constantes e com uma caixa de transmissão que entende exatamente o que o motorista quer(seja quando estamos numa subida, numa descida ou queremos efetuar uma ultrapassagem), claro que o câmbio CVT da sua nova geração traz muito mais conforto e economia, mas a caixa de 4 marchas não deixa a desejar. Incrivelmente o carro é bem econômico tanto na cidade, quanto na estrada, levando a um consumo combinado de cerca de 10km/l no álcool. A suspensão segue a linha dos Corollas no geral, sendo muito macia na cidade e confiável na estrada, apesar de não chegar ao ponto da esportividade(O que não é um demérito, afinal o carro é assumidamente familiar). Outro ponto positivo são os faróis bi-parábola, com luz individual para o facho baixo e o facho alto, que também possuem uma boa eficiência. Fica como ausência notável as luzes repetidoras de direção laterais em todas as versões e o farol de neblina.
   Por fim, podemos dizer que o Corolla entrega exatamente aquilo que se propõe: é um carro confiável, razoavelmente econômico, com equipamentos essenciais, confortável e com desempenho adequado. O principal contra do carro é que mesmo usado, ainda é um carro relativamente caro, que é mais indicado para quem não busca grandes emoções ao volante mas não abre mão de um meio de transporte seguro e confortável. Se você está buscando pouca dor de cabeça, um carro discreto e não busca esportividade, sem dúvidas o Corolla é uma ótima opção para você, ainda mais nessa geração que ainda é relativamente recente e é possível encontrá-la com os principais equipamentos.
Share:

domingo, 10 de fevereiro de 2019

Android Auto, Apple Car Play, Mirrorlink - O que significa essas tecnologias?

    Até meados do inicio do século quem quisesse fazer uma viagem de carro tinha que estudar com muito cuidado o caminho antecipadamente, comprar livros ou guias que indicavam as estradas/avenidas/ruas que deveriam ser seguidas e torcer para que nenhuma mão de direção tivesse sido invertida, alguma rua criada, ou alguma conversão proibida. Porém nos últimos 10 anos(#10yearchallenge?) essa situação mudou drasticamente, principalmente com o lançamento do primeiro carro com GPS de fábrica(que na verdade veio alguns anos antes no final de 2007 já como linha 2008), ok que na verdade o carro vinha com um gps portátil(desses que você fixa no para-brisa) e não um GPS embutido propriamente dito, mas já era um começo.
    Acontece que com a popularização de aplicativos de navegação como Google Maps, Waze, Here, Apple Maps, dentre outros, cada vez menos pessoas escolhiam o GPS tradicional e acabavam substituindo-o por aplicativos no próprio celular, que além das tradicionais funções ainda possuem situação do transito em tempo real, mapa colaborativo(em tese sempre atualizado), aviso de obras, acidentes, dentre diversas outras funções. De olho nesse mercado as montadoras passaram a oferecer centrais multimídias de série(com um ponta pé inicial de novo por um carro da GM, mas dessa vez o Onix foi escolhido) com suporte a diversos sistemas que conversam entre celular e central como: Mirrorlink, Android Auto, Apple Carplay. Nessa matéria você vai conferir as principais características e como cada sistema funciona.

    
    A tecnologia mais antiga de todas é a MirrorLink, basicamente essa tecnologia nasceu com o próposito de literalmente espelhar o que está sendo exibido no celular dentro da central multimídia, essa mesma tecnologia também é utilizada em televisores para o mesmo propósito. Por ser a mais antiga ela possui algumas limitações, por exemplo, se você utiliza o Waze/Maps/Here esqueça, esses aplicativos não são compatíveis, com exceção as centrais que possuam MirrorLink mas que permitam a operação direto no celular, ou seja, toda ação que você executar no celular será espelhada para a tela do veículo. A maioria no entanto permite a operação apenas na tela do veículo o que limita a opção de aplicativos a serem instalados.
    No entanto uma vantagem dessa tecnologia é que por ser a mais antiga também é a melhor aproveitada em termos de desempenho e compatibilidade. Essa tecnologia funciona tanto em celulares Apple quanto Androids(até mesmo em Nokias), ou seja, não precisa se preocupar em trocar de aparelho. Outro ponto positivo é que por demandar muito pouco processamento, mesmo os mais antigos conseguem apresentar um resultado satisfatório.


    Uma outra tecnologia disponível é o Android Auto. Apesar do nome esse é um software instalado diretamente no seu carro e permite a interação com, obviamente, apenas celulares Android. A grande vantagem desse sistema é que todas operações são feitas diretamente na tela, geralmente, touch do seu veículo, além de possuir uma interface totalmente voltada para um acesso rápido as principais funções(espere ícones grandes, teclado espaçoso, dentre outros). Outro ponto forte é que muitos aplicativos famosos da Play Store estão disponíveis para serem instalados diretamente no seu carro, tais como: Spotify e Rdio, isso sem contar o já nativo Google Maps e o recém adicionado Waze(Sim apesar de possuir Android Auto nem todas as multimídias possuem o aplicativo Waze disponível), cada vez mais carros contam com o recurso que facilita bastante o dia-a-dia dos motoristas.

    Por fim temos o Apple Carplay em que seguindo a mesma linha dos demais produtos e serviços da Apple possui um controle bem mais rigoroso e qualitativo em relação aos apps disponíveis, no entanto como é esperado a sincronização com seu iPhone é feita de uma maneira totalmente intuitiva e rápida. Possuí atualmente, tal como o Android Auto, os principais aplicativos da Apple Store. O funcionamento de ambos sistemas é bem similar e um ponto interessante é que apesar de não ser um regra, a maioria dos carros com centrais multimídia inteligentes contam com os dois sistemas(Android Auto e Apple Carplay).

    No fim das contas todas opções atendem a determinado publico específico, seja usuários de smartphones mais antigos(mirrorlink), Android(Auto), Apple(Carplay). Um ponto importante para você se atentar é que caso você escolha Android Auto ou Apple CarPlay, certifique-se que o veículo possua uma versão atualizada desses sistemas para garantir que os aplicativos mais recentes rodarão sem problemas.
Share:

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019

Avaliação Dodge Durango

    Você com certeza já deve ter ouvido falar da típica frase: "Tamanho não é documento". Mas será que no caso desse brutamontes da Dodge isso realmente é uma verdade? Vamos descobrir na nossa análise.
   Primeiramente se você está pesquisando um s.u.v realmente grande provavelmente não terá muitas opções no mercado, talvez um Audi Q7, BMW X6, Volvo XC90, entre outros. O problema deste mercado é que grande parte das opções ultrapassam facilmente os R$300.000,00, mas e se o consumidor quiser um s.u.v gigante mas não tão caro? Pois bem é isso que a Dodge promete.
    O Durango começou sua história sendo um s.u.v derivado da picape Dodge Ram(vendida aqui como Dodge Dakota de 1998-2001), no entanto acabou não sendo importado para o Brasil(de forma oficial) na sua primeira geração, chegando apenas nessa segunda.
    A primeira coisa que chama atenção no carro é o seu tamanho, é realmente MUITO grande, só para ter uma ideia ele mede 5,07mts de comprimento por 1,94mts de largura e uma altura de 1,8mts, ou seja, se você está interessado em um além de desembolsar entre R$120.000 a R$220.000(lembrando que atualmente só é possível comprar um usado), você precisará ter uma garagem bem grande para comportar o carro, além de contar com muita sorte para achar uma vaga de estacionamento(principalmente em um shopping center no natal).


    Caso atenda todos os seus requisitos, seja bem vindo a uma excelente opção em termos de custo-benefício de s.u.v grandes e tenha uma certeza: Toda família e suas bagagens caberão tranquilamente nesse gigante. Por falar em porta-malas, a Dodge equipou seu gigante com um sistema muito simples de rebatimento de bancos, são três fileiras(2+3+2), sendo que mesmo os ocupantes da segunda/terceira fileira contam com refrigeração, graças ao ar condicionado de três zonas(Seus familiares não precisam mais brigar sobre se o ar está muito frio ou muito quente). 
    
    Ainda falando do interior do veículo encontramos um carro com um painel muito moderno, contando com uma central multimida enorme, um display digital entre conta-giros e velocímetro e vários porta objetos espelhados pela cabine(como é de costume em carros norte-americanos). Porém apesar de tudo isso a qualidade dos materiais deixa a desejar pela sua faixa de preço, muitos deles não soft-touch e alguns ainda possuem uma aparência frágil, sem dúvidas são pontos de melhorias que a Dodge precisa prestar atenção. Dois outros pontos também contrastam com a modernidade do s.u.v, a central multimídia sem opção de espelhamento de celulares(nem Mirrorlink, nem Android Auto e tampouco Apple Car Play), além do arcaico freio de estacionamento no pé, muito comum em carros da América do Norte.


    A conclusão que se tira de tudo isso é que o Dodge Durango é um excelente carro se você precisa de muito espaço, é muito bem equipado e seguro, porém não espere por um preço camarada ou um interior luxuoso e sofisticado, a proposta aqui(ao menos no mercado Norte Americano) é oferecer um carro grande sem cobrar tanto por isso. De certa forma podemos dizer que ele cumpre muito bem esse papel por aqui, afinal dificilmente você achará um carro tão grande quanto ele em terras tupiniquins.
Share:

sexta-feira, 23 de novembro de 2018

Carro novo vs Carro usado



     Comprar um carro novo é um sonho de muitas pessoas, seja pela tecnologia embarcada nos novos automóveis, a pintura reluzente, o famoso cheirinho de carro novo ou mesmo pelo simples prazer de saber que ninguém(ou quase ninguém) nunca usou aquele objeto. Porém, nem tudo é feito apenas de pontos positivos e temos que tomar alguns cuidados na aquisição desse bem tão valioso, posto isto vamos a uma lista de vantagens e desvantagens dessa opção:

Vantagens

     A vantagem mais aparente é que em via de regra quando compramos um veículo novo estamos livres de dores de cabeça(com algumas exceções), geralmente contamos com uma garantia do fabricante de 3 anos, desde que respeitada todas as revisões e um pacote com preço fechado para as manutenções do veículo, portanto em teoria podemos ficar por 3 anos com o veículos sem precisar se preocupar com problemas e sabendo exatamente o quanto vamos gastar.
      Outra vantagem que também temos é saber que o pintura do carro estará intacta e que o veículo nunca foi utilizado por outras pessoas(exceto para realização de testes obrigatório e manobras nos pátios em que ele fica armazenado).
      Além de tudo isso, podemos também crer que aquele carro geralmente dispõe de modernas tecnologias como: Central Multimidia, sensor de estacionamento de fábrica, controle de estabilidade e tração e diversas outras modernidades que trazem conforto ao motorista e seus ocupantes. Sendo assim geralmente estamos comprando um veículo moderno e com o que há de mais recente em termos de segurança e tecnologia. Porém tudo tem suas desvantagens e é exatamente isso que vamos ver no próximo trecho do artigo.

Desvantagens

     Vimos que existem inúmeras vantagens ao se comprar um carro novo, mas também precisamos tomar cuidado com algumas características que podem fazer você mudar de ideia(ou não), entre elas está a alta desvalorização de um veículo novo. Ao tirar o carro da concessionária, este perde imediatamente algo entre 5% a 15% do seu valor de mercado(a depender de inúmeros fatores que fica para uma próxima matéria), ou seja, para quem troca frequentemente de carro esse valor pode resultar em uma perda significativa.
      Um outro ponto que também comentamos é que quem compra um carro novo está livre de dores de cabeça, bom existe um outro lado em relação a esse aspecto também. Todas as fábricas possuem um rigoroso controle de qualidade, porém devido a sua complexidade, nenhuma marca está isenta de problemas, ou seja, pode ser que ainda que você compre um carro novo você tenha que fazer algumas visitas não programadas as concessionárias para arrumar os mais variados tipos de problemas, sejam eles mecânicos ou de acabamentos, portanto é importante ter em mente que mesmo comprando um carro novo, ainda assim pode ser que ele tenha algum defeito.
      Uma ultima desvantagem em comprar o carro novo é que apesar de você estar levando para casa um carro "zero quilômetro" você ainda assim pode estar adquirindo um veículo projetado a muitos anos atrás, que não necessariamente conta com todas as tecnologias atuais(Um clássico exemplo é a Kombi que foi vendida até 2014 e em sua essência era um projeto dos anos 50!).
      Bom até aqui você deve estar pensando: Então eu vou comprar um carro usado que é muito mais negócio, certo? A resposta é depende, você vai entender melhor na próxima seção.



      Os carros usados vem sendo cada vez mais comercializados no mercado brasileiro, parte devido a alta no preços dos veículos novos, parte devido à crise econômica que o Brasil vem passando nos ultimos anos. Se por um lado comprar um carro usado antigamente era literalmente uma loteria, hoje já dispomos de serviços que ajudam o comprador a fazer a escolha certa e até mesmo leis que beneficiam o consumidor, facilitando a aquisição de um veículo já utilizado. Confira abaixo algumas vantagens e desvantagens.

Vantagens

      A principal vantagem de um usado é o preço, como citado acima ao tirar um carro da concessionária este perde de 5% a 15% o seu valor de mercado, isso quer dizer que um carro com menos de 1 ano de uso pode ser encontrado por valores em média 10% mais baratos do que quando novo. Se levarmos em consideração um veículo de R$100.000,00 a economia chega a R$10.000,00 em média, o que permite uma hospedagem em um hotel de luxo por 1 semana, ou ainda a aquisição de um veículo de versão superior a planejada ou com mais equipamentos.
Outra vantagem da compra de um carro usado é que diferentemente dos carros novos a burocracia para sua compra é bem mais branda, sendo possível(após o pagamento) utilizar o automóvel em 2/3 dias contras o prazo de pelo menos 1 semana dado pelas concessionárias.
       Além dessas duas vantagens ainda existe uma terceira possível vantagem que é a aquisição de um modelo que não é mais fabricado, pode parecer estranho mas existem diversos carros/versões excelentes que foram descontinuados pelos fabricantes e somente são encontrados no mercado de usados. Por um outro lado também é possível pegar um carro extremamente novo(algo como 1/2 anos de uso) que possui a mesma aparência/equipamentos da nova versão, porém é muito mais em conta e em alguns casos pode contar ainda com 1 ou 2 anos de garantia de fábrica.
      Vale dizer, no entanto, que assim como os carros novos, os carros usados também tem suas desvantagens que é o que vamos abordar em seguida.

Desvantagens

      A maior desvantagem de comprar um carro usado é que para o comprador leigo, este raramente sabe o que está levando. Em outras palavras isso quer dizer que não sabemos como foi feito a manutenção do veículo, o que pode gerar surpresas desagradáveis após a compra. Infelizmente, muitos lojistas(inclusive de grandes redes) ainda possuem a tática de maquiar o carro, que consiste fazer procedimentos estéticos(polimento, cristalização) e limpeza do motor, a fim de esconder possíveis vazamentos, reparos mal feitos, dentre outros.
      Outra desvantagem é que dependendo do ano do carro é possível que esteja comprando um veículo que não está mais em produção, com desenho ultrapassado e principalmente com equipamentos que não dispõe de tecnologias atuais(Por exemplo um sensor de estacionamento, que hoje está presente em grande parte dos veículos, era algo raro até por volta de 2012, isso sem contar as centrais multimidias, controle de estabilidade e tração dentre outros). Além das tecnologias de equipamentos é possível que a mecânica não seja da mais moderna(Nesse caso alguns carros novos possuem do mesmo mal, com motores da década de 80 reformulados e câmbios automáticos de 4 marchas), o que geralmente acaba forçando um consumo maior de combustível, sem contar que muitos importados(principalmente, mas também alguns nacionais) eram mono combustível(o que na minha opinião é uma decisão mais acertada, apesar do custo maior de rodagem).



      No fim das contas existe o certo para cada perfil de consumidor, existe alguns que não abrem mão de um carro novo e outros que não abrem mão de um carro com preço mais conta mas com alguns quilômetros rodados. Não existe certo ou errado e sim o que se encaixa melhor na necessidade de cada um. Se você perguntar a minha opinião, diria que sou entusiasta dos carros antigos, pois na minha opinião trazem grandes benefícios, basta gastar algum tempo para achar aquele usado com preço bom e manutenção correta.

Até a próxima matéria,
Abraços.
Share:

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Fatores que influenciam e facilitam a baliza.


Muitos motoristas já passaram por essa situação: Estão andando na rua procurando uma vaga, quando de repente surge aquela vaga apertada para seu carro. Em uma situação dessas é muito comum motoristas inexperientes, ou que não tem facilidade em manobrar o carro, desistirem da vaga, mas esse cenário felizmente vem mudando rapidamente, com novos recursos que aliviam um pouco o sofrimento de quem não se sente confortável nessa situação e é exatamente sobre eles que vamos falar nessa matéria.
Antes de começarmos a explorar um pouco os recursos é importante lembrarmos que existem diversas funcionalidades nos carros modernos e que algumas delas complementam-se umas com as outras e também cada carro foi projeto seguindo um determinado parâmetro, o que influencia diretamente na facilidade ou não de fazermos baliza.


Design do Carro
Um dos fatores que mais influência na hora de fazer a baliza é o design do carro. Isso mesmo, por incrível que pareça o design faz toda a diferença, pegamos o exemplo da foto acima. Como podemos notar o design da janela traseira de um Range Rover Evoque é muito menor que o de um smart fortwo(As letras minusculas são devido ao fabricante batizar o nome do carro exatamente assim), tornando o segundo carro muito mais fácil de manobrar(Em parte claro pelo seu tamanho). O que podemos notar é que muitas vezes o design se sobresai a funcionalidade e isso varia de cada fabricante e até mesmo de cada produto. Carros sedans, por exemplo, tendem a serem mais díficeis de manobrar do que carros hatchs, isso porque no sedan a carroceria se estende para além do vidro traseiro, o que dificulta delimitar quanto espaço há restante atrás, o que não acontece em carros hatchs.http://www.fiat.com.br/content/dam/fiat-brasil/desktop/images/tecnologias/lateral/sensor_estacionamento.jpg
Sensor de Estacionamento
Um item que vem se popularizando cada dia mais no Brasil e que hoje já podemos encontrar na faixa dos R$50(Modelos chineses sem mão de obra) é o sensor de estacionamento. Esse é um item que pode ser aplicado tanto na dianteiro(incomum em carros mais simples) quanto na traseira e seu funcionamento é muito simples: São instalados quatro pontos no parachoque que emitem uma onda eletromagnética(Parecido com rádio/wifi/bluetooth), essa onda é interpretado por um módulo que calcula a distância aproximada do obstáculo emitindo um bipe em intervalos cada vez menores conforme se aproxima do obstáculo. Esse é um item que evita  a maioria das colisões traseiras e funciona também, se de qualidade e bem instalado, para avisar a proximidade com pilastras e outros objetos na diagonal do carro. Devido ao seu processo de leitura é recomendável fazer a baliza em baixa velocidade, pois pode haver uma demora na interpretação da central. Cuidado com os modelos muito baratos pois geralmente efetuam uma leitura imprecisa e não raramente apresentam problema. http://www.maosaoauto.com.br/wp-content/uploads/2015/07/camera-de-r%C3%A9.jpg
Camera de Ré

Mais um item que também vem tomando conta do mercado de acessórios Brasileiros e cada vez mais vem sendo embutido em modelos um pouco mais acessíveis. Eu pessoalmente acredito que seja um complemento ao sensor de estacionamento apesar de muitos carros substituírem o item anterior por este. O problema nesse caso é que não há nenhum sinal sonoro, então é necessário olhar para tela e se atentar a marca vermelha, que indica o limite do carro. O preço desse item vaaria em torno de R$70,00 no entanto caso seu carro não seja equipado com uma central multimídia, é necessário incluir também o valor do espelho retrovisor,onde é projetado a imagem, que gira em torno de R$100,00.http://blog.tuningparts.com.br/wp-content/uploads/2016/01/estacionamento-automatico3.jpg
Estacionamento Autônomo

Por fim, a tecnologia mais recente e ainda não difundida em segmentos de carros não luxuosos (com exceção ao Ford Focus) é o estacionamento autônomo, neste basta o condutor emparelhar a uma vaga na perpendicular ou em paralelo que o sistema se encarrega de virar o volante automaticamente. O condutor precisa apenas acelerar e frear de acordo com indicações no painel. Esse é o sistema mais caro, porém mais eficiente de estacionamento e combina geralmente as duas tecnologias anteriores. É esperado que a médio prazo esse sistema esteja massificado e disponível em modelos mais acessíveis, o primeiro passo já foi dado pela Ford, resta agora esperar a popularização deste equipamento.
Share:

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

A relevância das centrais multimídia


Nos dias de hoje, cada vez mais percebemos um aumento na quantidade de veículos que saem com centrais multimídia. Esse vem se tornando um equipamento muito desejado pelos consumidores e vem se popularizando de maneira bem rápida. O que muitos não sabem é que existem diversos tipos de centrais multimídia, desde as mais simples, até as mais complexas. O objetivo dessa matéria é abordar esses tipos de centrais multimídia e mostrar como ela vem alterando a forma de interação homem/máquinas, confira a seguir ;)


Centrais Multimídias Genéricas



O primeiro tipo que temos são as centrais genéricas, ou seja, elas cabem em praticamente qualquer carro. Esse é o tipo mais comum de central multimídia, principalmente para quem possui um carro um pouco mais antigo, mas não abre mão de tecnologia. Geralmente possuem um navegador GPS integrado, saída USB, interface touch e muitas vezes também bluetooth. Os pontos negativos desse tipo de central é que elas são muito visada por ladrões, justamente por servir em qualquer veículo, também possuem uma tela de baixa qualidade e geralmente não oferecem muitas funcionalidades além do GPS e Tv Digital. Esse tipo de central é recomendado apenas se você não deseja efetuar um investimento muito elevado e quer ter a praticidade de levar a central para um outro carro, caso venha fazer a sua substituição. 
Preço: R$450,00 a R$2.000,00
Produto recomendado: Pioneer AVIC-F960BT(GPS,Tv Digital, MirrorLink) por cerca de R$1.600,00
 
Chevrolet Mylink Nacional

Aqui temos um caso peculiar, existem alguns tipos de centrais MyLink, o que equipa a maioria dos carros no Brasil, com exceção ao Cruze e S10/TrailBlazer, é uma versão simplificada da central multimídia. Nesse caso não há GPS Integrado, no entanto a central oferece algumas outras funções, como exibição de fotos e videos, apps que se integram ao smartphone e permite também customizar algumas configurações do veículo. O que temos aqui é uma central um pouco mais completa e de melhor qualidade do que as centrais genéricas mais baratas, no entanto ainda vale mencionar que as centrais MyLink do exterior são muito mais completas que a nossa, permitindo regular a temperatura do ar condicionado, utilizar GPS, replicar a tela do Smartphone na central, dentre outros.
Preço: R$1.500 em média(Varia de acordo com o modelo)
Centrais Multimidia Originais de Fábrica

As centrais multimídias originais de fábrica vem sido cada vez mais popularizada em carros compactos. Quem começou com essa popularização foi justamente a Chevrolet, inserindo esse equipamento na sua linha de veículos compactos, ainda que sem GPS. Hoje em dia a maioria dos compactos já oferecem o item, seja ele opcional ou de série. Essas centrais geralmente possuem o que gosto de chamar de pacote básico, ou seja, GPS, Bluetooth, USB, Fotos e Videos. Geralmente oferecem um display de qualidade boa, bem como um receptor de GPS igualmente eficiente. No entanto assim como todas as outras oferecem algumas desvantagens, dentre as quais podemos destacar as seguintes: Não é possível remover a central para utilizar em outro carro, quando opcional custa caro e a atualização de mapas do GPS depende obrigatoriamente da concessionária.
Preço: R$1.500 a R$3.000  
 
Android Auto e Apple CarPlay

Chegamos por fim as centrais mais sofisticadas atualmente. Apenas modelos da Volkswagen possuem esse tipo de central. A principal diferença para as outras centrais é que nesse caso o seu celular é totalmente conectado a tela do automóvel, isso permite que você acesse o Waze, Whatsapp, Facebook e muitos outros aplicativos diretamente na tela do seu automóvel e ainda controle os seus dispositivos por lá. Isso é muito interessante, pois não é mais necessário comprar aqueles suportes para celular que atrapalham a visão ou tornam difícil o manuseio do dispositivo. Com isso você tem tudo sempre a mão. A tendência é que esse tipo de central se torne padrão nos demais carros e seu preço acabe se popularizando. Mas claro que não podiamos deixar de citar as desvantagens desse tipo de central, sendo que a principal delas é... Exatamente, o preço. Além disso, como comentamos anteriormente, esse tipo de central, excluindo os carros de luxo, só está disponível na linha Volkswagen, então se você não é muito fã da marca ou não tem nenhum modelo que te chame atenção, terá que aguardar até que outras marcas sigam o mesmo caminho. A boa notícia é que a GM já sinalizou que irá trazer uma versão mais moderna do MyLink, possivelmente com tais recursos. Agora é esperar para ver. Até a próxima ;)

Share:

quarta-feira, 19 de agosto de 2015

A onda dos 100 mil

Que o preço dos carros anda estratosférico nos últimos meses(mas do que antigamente) não é segredo nenhum e que as vendas de carros cada vez caem mais também não. Agora o que pouca gente sabe, ou imagina, é quantidade cada vez maior de carros ultrapassando a barreira dos 100 mil reais. Isso vem se tornando assustadoramente frequente e é cada vez mais comum encontramos carros comuns no dia-a-dia rompendo essa barreira, seja devido a aumento do preço do carro em si, como também aumento do valor dos seus opcionais(Sim isso vêm correndo também, mas fica para uma próxima matéria).

Abaixo listamos alguns modelos que ultrapassam essa barreira e também alguns modelos de luxo que podemos comprar por um valor próximo(até 5% a mais que os 100 mil reais). Lembrando que modelos com * ao lado são dotados de opcionais que encarecem o veículo.
  1. Honda CRV EXL 2.0 - R$134.900,00
  2. Golf Variant Highline 1.4 Turbo - R$129.947,00 *
  3. Golf Higline 1.4 Turbo - R$120.525,00 *
  4. Hond CRV LX 2.0 - R$115.100,00
  5. Toyota Corolla Altis - R$100.990,00
  6. Bravo T-Jet 1.4 Turbo - R$100.022,00 *
 
Com esse valor podemos comprar diversos carros da Audi como: A1, A3 Sportback e A3 Sedan. Lembrando que isso se formos considerar o limite de R$105.000,00(5% acima dos R$100.000,00), se aumentarmos esse valor para o limite do modelo mais caro da lista, as opções aumentam consideravelmente.

E você, o que acha do preço dos carros acima? Deixe seu comentário abaixo, ele será muito bem-vindo :)
 
 
 
Share:

Sobre o Autor

Editor Chefe

Haroldo, formado em Ciências da Computação e cursando Pós-graduação em Engenharia de Software, dedica seu tempo livre em postagens sobre o mundo automotivo. Desde pequeno apaixonado por carros e velocidade.

Colunista Vez das Mulheres


Mildredh, formada em Ciências da Computação e participante ativa do site, postando sua visão feminina sobre diversos assuntos automobilísticos, mostrando a presença cada vez maior das mulheres ao volante.

Dados de Contato

Se você deseja entrar em contato conosco para publicar em nosso site uma matéria patrocinada, fornecer veiculo para avaliação ou mesmo enviar dúvidas ou sugestões, envie um e-mail para: milmotores@gmail.com